Voltar 

 

Reza a Lenda
...que há muitos, muitos anos...
Houve em Portugal um ano de fome e peste, que atingiu uma grande parte da população.
Foram tantos os mortos que os mais crentes apelaram a São Sebastião para que os protegesse de tal flagelo. Se a doença se afastasse, se os doentes melhorassem e os animais escapassem, prometiam realizar anualmente a 20 de Janeiro, uma festa onde não faltasse pão e carne para quantos a ela comparecessem.
Como o Santo não faltou, cumpriu-se o prometido e assim se fez ao longo dos tempos. Mas, com o passar dos anos, o povo foi ficando esquecido e mal agradecido e, um ano não se sabe bem porque motivo, a festa não se realizou. O povo ficou assim sem a protecção do Santo, advogado da fome, da peste e da guerra...
...Conta ainda a lenda, que em 1809 (ano em que Napoleão, Imperador da França, mandou invadir pela segunda vez Portugal) as tropas entraram pelo norte a caminho do Porto.
A má fama dos invasores já tinha chegado à população de muitos povoados, que aterrorizados pela iminente invasão e suas consequências (pilhagens, mortes e violações), saíram às ruas com a imagem de São

Sebastião e acolhendo-se à sua protecção renovaram a promessa:
Se os invasores não entrarem nas nossas aldeia faremos todos os anos no dia 20 de Janeiro, uma festa em tua honra onde não faltará comida a toda a gente que a ela vier.
Diz a lenda que caiu tal nevão em volta de algumas aldeias que obrigou os invasores ao desvio do seu caminho deixando em paz essas populações. Lenda ou não, a verdade é que se tem mantido a tradição e todos os anos depois de 20 de Janeiro os habitantes das aldeias que veneram o Mártir São Sebastião renovam a promessa.

  Voltar